Nesta semana o Ministério da Saúde publicou a versão atualizada do Guia Alimentar para a População Brasileira. Este é um documento oficial que tem por objetivo a promoção de saúde e boa alimentação, e aborda os princípios e recomendações de alimentação adequada e saudável à toda a população. Anterior a este, a ultima publicação tinha sido em 2006, e focava bastante em grupos alimentares e porções recomendadas. O foco agora não é mais tanto o combate a desnutrição (que vem em queda já há algum tempo), mas sim a prevenção de doenças crônicas como obesidade, diabetes e doenças cardíacas (crescentes em todo o mundo).

guia alimentar

A versão 2014 é moderna e trata da alimentação com um olhar bastante interessante, vai muito de encontro com o que eu acredito e tenho usado na minha prática clínica – é nutrição e alimentação saudável aplicada à mudanças de comportamento para atingir objetivos. Eu adorei! ♥

O Guia Alimentar é resumido, pelo próprio Ministério da Saúde, em 10 passos para uma alimentação saudável e adequada, que seguem aqui com as minhas observações logo abaixo.

1. Fazer de alimentos in natura ou minimamente processados a base da alimentação

Ou seja, #comidadeverdade! Frutas, legumes e verduras, cereais, grãos, raízes, tubérculos.. Estas são a base para a alimentação saudável e equilibrada, saborosa, culturalmente apropriada e sustentável.

in natura e mininmamente

2. Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos ou criar preparações culinárias

Moderar nas gorduras, sal e açúcar é mesmo uma recomendação pertinente. O excesso destes ingredientes pode tornar a preparação desbalanceada e até esconder o sabor real dos alimentos. Use sim, mas com moderação.

3. Limitar o consumo de alimentos processados

processadosOs alimentos processados, quando bem selecionados e pouco usados, podem favorecer a alimentação saudável. O problema é quando a quantidade e frequência de consumo destes é maior do que os dos in natura e minimamente processados.

4. Evitar o consumo de alimentos ultraprocessados

ultraprocessados

O excesso de ingredientes adicionados (corantes, conservantes, açúcares, sódio, adoçantes…) e a praticamente ausência de alimentos inteiros, faz dos alimentos ultraprocessados maléficos à saúde. São opções desbalanceadas, e no geral têm formulação e apresentação que induzem o consumo excessivo, principalmente pela praticidade que apresentam. Por isso, é comum que substituam os alimentos in natura ou minimamente processados. A relação custo x benefício do consumo destes alimentos não vale a pena para nosso organismo, e por isso devem ser evitados ao máximo. Além disso, a produção, distribuição e comercialização dos produtos ultraprocessados não incentivam a cultura, vida social e meio ambiente locais. Evite ao máximo os ultraprocessados!

5. Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia

Isto é, manter uma rotina alimentar, fazendo as refeições sempre em horários semelhantes e em intervalos regulares. Comer devagar, com calma, mastigar bem e saborear os alimentos, sem se envolver em outras atividades (entenda: longe da TV, computador, tablet ou celular). Escolher locais limpos, confortáveis, tranquilos e adequados para se alimentar – comer no sofá, no carro ou no trabalho não é apropriado! Evitar também locais que estimulem o consumo alimentar em quantidades ilimitadas.

O Guia Alimentar 2014 sugere que as atividades domésticas que antecedem ou sucedem o consumo das refeições devem ser compartilhadas entre a família e/ou amigos, bem como realizar as refeições em companhia destas pessoas deixa o momento mais agradável.

refeição em familia

Esta orientação basicamente se resume em: coma à mesa, em família, como se fazia antigamente!

 6. Fazer compras em locais que ofertem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados

Frequente mercados, feiras, sacolões… São principalmente estes os lugares que oferecem os alimentos in natura ou minimamente processados. Sempre que possível, dê preferência aos alimentos orgânicos e procure comprar diretamente dos produtores. Veja este post sobre onde encontrar orgânicos em SP!

7. Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias

Comer em casa é sempre mais saudável do que comer na rua, mas para comer em casa é preciso cozinhar! Então vá para a cozinha, treine suas habilidades ou aprenda a cozinhar, leia sobre culinária, e ensine a quem quiser aprender, principalmente crianças e jovens. Não tenha medo de se arriscar na cozinha, pratique a #culinariaintuitiva e divirta-se muito! ♥

8. Planejar o uso do tempo para dar a alimentação o espaço que ela merece

Eu acredito que o planejamento das refeições é mesmo um dos maiores segredos da alimentação saudável (e também perda e manutenção de peso). Planejar o cardápio e as compras ajuda a priorizar os alimentos saudáveis e ter a despensa e geladeira organizadas ajudam na praticidade e facilidade de preparo. Encarar as refeições como prioridade é necessário para não usar este tempo para outras atividades – então nada de marcar uma reunião na hora do almoço, ou deixar de tomar café da manhã para dormir um pouco mais.

9. Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora

Novamente, #comidadeverdade, que são principalmente encontradas em restaurantes por kilo, buffets ou restaurantes de comida caseira. O ideal é evitar fast food e também substituir refeições por salgados ou outras opções rápidas e pouco saudáveis no dia a dia.

prato-saudavel

10. Seja crítico quanto a informações, orientações e mensagens sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais

Sim, pois a função da publicidade é aumentar a venda de produtos e não informar ou educar pessoas! Tenha muita crítica ao avaliar as informações passadas em propagandas, e ensine crianças e jovens a fazer o mesmo. À este ponto, eu adicionaria também analisar com critério as informações passadas por pessoas que não são profissionais da área da saúde. E sempre que tiver dúvidas em relação a algum ponto sobre alimentação, procure um profissional nutricionista para esclarecer e te orientar da melhor forma possível! ♥

3 Comentários

  • Letícia formoso

    Alimentos para criança de 0 a 3

  • Leticia Formoso

    Alimentação paea crianças 0a3 anos

    • Thais Lara

      Em breve novos posts sobre este assunto, Letícia! ; )

Dúvida? Opinião? Sugestão? Deixe um comentário!