Quando as pessoas descobrem que eu sou nutricionista, uma das primeiras perguntas que eu escuto é: "quantas calorias tem ________ (complete a lacuna)", ou ainda "é verdade que __________ tem menos calorias do que ___________ (complete também estas lacunas)?". São questionamentos comuns e frequentes tanto dentro quanto fora do consultório, e a minha resposta é sempre a mesma: o valor calórico não é tão importante assim! É importante para o nutricionista, que vai calcular seu consumo alimentar e ajustá-lo ao seu metabolismo e objetivos nutricionais. Mas para as pessoas, não é vantajoso se prender ao número de calorias para basear suas escolhas alimentares. Sei que nem sempre é fácil desapegar das calorias, então eu listei motivos para não precisar mais se preocupar com o valor calórico dos alimentos e não contar calorias em  2015 - nem nunca mais!! #1 valor calórico não é tudo Tomo como exemplo o que já falei neste post (Passe longe dos refrigerantes ...

Continuar lendo...

Há tempos estou prometendo este post para algumas pessoas e finalmente, chegou a hora dele :) Ainda tem muita gente que usa o refrigerante zero como substituto ao refrigerante comum no intuito de reduzir as calorias consumidas no dia, e então, teoricamente, auxiliar na perda de peso. Então vamos ao comparativo:  (Obs: apenas para exemplificação, aqui serão usados a Coca Cola e Guaraná Antártica, mas no geral todas os refrigerantes ou bebidas gaseificadas zero ou light seguem a mesma linha) Neste contexto, a substituição seria justa - aqui tem um post que fala um pouco mais sobre porque evitar as bebidas açucaradas. Mas o primeiro ponto, é que, como aqui as calorias não são importantes, e sim os nutrientes. Então, vamos à comparação clássica do valor nutricional dos refrigerantes zero e o temido suco de laranja: Apesar de o suco de laranja apresentar valor calórico e os refrigerantes zero não, analise bem a oferta ...

Continuar lendo...

Além das castanhas, a lentilha é também um alimento bastante consumido nesta época de festas, mas são tantos benefícios que deveríamos aproveitá-la mais ao longo do ano. As lentilhas são do grupo das leguminosas, o mesmo do feijão, caracterizados por serem grandes fontes de fibras e proteínas vegetais. O perfil nutricional da lentilha é bastante interessante, veja: - Carboidratos complexos: a grande quantidade de fibras das lentilhas caracteriza os carboidratos presentes como complexos, o que significa que liberam energia de forma lenta para o organismo, e por isso, promovem sensação de saciedade por tempo prolongado. Além disso, 25% das fibras da lentilha são solúveis, que ajudam a diminuir o colesterol e controlar a glicemia. As fibras são também importantes para um bom funcionamento intestinal - Proteínas: a lentilha é rica em proteínas vegetais, e especialmente fonte do aminoácido triptofano. O triptofano é um aminoácido essencial, o que quer dizer que nosso corpo não produz, ...

Continuar lendo...

Como alguns viram no instagram (@blognutrirbem), na semana passada comecei a entregar a lembrancinha de final de ano aos meus pacientes. Pensei muito até resolver o que queria dar, e no fim escolhi por lindos tubinhos recheados de oleaginosas. Muitos dos meus pacientes habitualmente consomem as castanhas em alguma refeição, mas sei que ainda tem gente que tem medo delas por conta de seu valor calórico e teor de gorduras. Mas como aqui não contamos calorias, e sim nutrientes, este post vai dizer porque eu faço tanta questão de incluir as oleaginosas nos planejamentos alimentares das pessoas: Quem são elas?  Nozes, castanhas, amendoim, pistache, macadâmia, avelã, amêndoas, pecãn... Todas estas sementes são chamadas como oleaginosas devido a seu perfil semelhante de nutrientes. Benefícios: # Composição nutricional - macronutrientes: excelentes fontes de gorduras insaturadas – as gorduras que conferem benefícios para a saúde cardiovascular - e proteínas vegetais completas. Tem pouca quantidade de carboidratos, e os ...

Continuar lendo...

Eu confesso que desde que voltei da minha viagem à França tenho estado muito apaixonada pela manteiga. Em minha casa nunca tivemos o hábito de usá-la então nunca foi um produto muito frequente na rotina... mas ela tem estado cada vez mais presente nas minhas recomendações e aventuras na cozinha. Sim, manteiga, e não margarina. Eis aqui o duelo: Manteiga:  por definição, trata-se de um produto derivado do leite batido, até que se transforme em uma emulsão de água e gordura. É líquida em temperatura ambiente, sólida quando refrigerada. Por ser derivada do leite, a manteiga é rica em gordura saturada, tradicionalmente conhecida como a gordura ruim e que, quando consumida em excesso, pode aumentar o colesterol. Margarina: é o termo genérico usado para identificar uma emulsão de gorduras alimentares de origem vegetal em água. Surgiu em 1860, quando o imperador Napoleão III da França ofereceu uma recompensa para quem conseguisse encontrar um substituto ...

Continuar lendo...

Além de um bom molho caseiro (veja opções neste link), outro ponto importante para que a salada saudável do dia a dia seja sempre variada e apetitosa, é apostar na variedade em sua composição, sabores e texturas: o clássico alface-tomate-cebola é ótimo, mas não precisa (e nem deve) ser a única opção do cardápio de casa para as saladas. Dica 01 - folhas: A sugestão aqui sair do trivial alface/rúcula e inovar nas folhas: acelga, chicória, escarola, couve, folhas de beterraba, alface roxa, agrião, almeirão, espinafre, repolho roxo e branco, endívias... Sei que é hábito de muitas pessoas consumir algumas destas folhas na forma cozida/refogada, mas consumi-las cruas pode preservar muitos nutrientes e ajuda a variar a cara da salada. Outra boa ideia aqui, é optar pelas folhas baby, ou ainda inovar com brotos e flores comestíveis. Dica 02 - legumes: Além das folhas, uma salada colorida pede boa variedade de legumes. Experimente colocar na sua salada ...

Continuar lendo...

Com a chegada do calorzinho, a salada já começa a ficar mais apetitosa para muita gente. É ótimo frequentar os restaurantes por quilo e reparar que o prato das pessoas começa a ficar mais colorido nesta época.. rsrs. Mas é claro que tem alguns ingredientes que deixam sua salada não tão saudável assim (lembram deste post? Inocente saladinha... só que não!) Então começa hoje o Guia Nutrir Bem para uma salada saudável! O primeiro tópico a ser abordado não poderia ser outro se não os molhos de saladas industrializados. Isso porque, a grande maioria deles é riquíssimo em sódio e gorduras - e este pequeno detalhe pode mesmo fazer da sua salada não tão saudável quanto você gostaria. Pois bem, além da dose extra de calorias e abusivos teores de sódio, os molhos industrializados para saladas normalmente contém também outros aditivos não tão saudáveis, como os corantes, conservantes e aromatizantes, que podem atrapalhar o ...

Continuar lendo...

Na minha temporada na França, além da facilidade de encontrar alimentos saudáveis e do apoio do governo à alimentação saudável (que eu contei neste post), pude notar e vivenciar um fenômeno já bastante conhecido e descrito na literatura: o paradoxo francês. Trata-se da clara discrepância que existe entre o consumo alimentar dos franceses  - que tem muitos fatores que poderiam favorecer o sobrepeso e as doenças cardiovasculares -  e o número real de pessoas acima do peso andando pela rua! A taxa de sobrepeso francesa gira em torno dos 11%, enquanto que o Brasil já chegou aos 50% e os Estados Unidos já passaram dos 60%. Fora isso, os franceses têm a menor prevalência de doenças cardiovasculares de toda a Europa, e o número de mortes causadas por este motivo lá é a metade da encontrada nos Estados Unidos. A culinária francesa #gordura:  Talvez não seja novidade para muita gente, mas os franceses A-MAM manteiga. ...

Continuar lendo...

Já foi estrela de muitas capas de revista, e ainda hoje existem controvérsias a respeito do seu consumo regular. Eu, particularmente, sou fã, e considero o ovo um alimento de altíssimo valor nutricional. (imagem da internet) 6 ótimos motivos para consumir: # Valor nutricional Baixo valor calórico, fácil digestão, o ovo é rico em proteínas de alto valor biológico, especialmente na clara, que também é rica em sódio e potássio. A gema é principalmente composta por gorduras, em sua maioria insaturadas (as gorduras boas) e colesterol. Dentre os micronutrientes, a gema tem grandes quantidades de fósforo, cálcio, ferro e vitaminas A, E, K e principalmente B12. Ao contrário de muitos modismos por aí, o interessante é consumir o ovo inteiro e não apenas a clara!! :) # Mas e o colesterol? O ovo contém cerca de 220mg de colesterol, perto da quantidade máxima recomendada por dia, de 300mg. No entanto, estudos recentes não têm mostrado associação ...

Continuar lendo...

É quase mensal a divulgação de um novo super alimento pela mídia, com super propriedades e super benefícios para a saúde; já foi salmão, linhaça, ração humana e mais recentemente goji berry e chia. Eu me sinto um pouco incomodada em atribuir estes super efeitos aos alimentos, pois acredito muito que cada alimento tem funções e efeitos únicos no nosso organismo, e nenhum deles é melhor do que o outro - até porque, todos eles precisam estar inseridos em um contexto de alimentação saudável e variada. Na minha opinião, todo alimento é funcional no organismo. Mas a parte boa desta super divulgação em cima de alguns alimentos, é que de repente eles se tornam mais populares e acessíveis do que eram quando poucos sabiam da sua existência. E por isso, o destaque de hoje é minha queridinha semente de Chia. (Imagem da internet) A chia é uma planta da família da sálvia e ...

Continuar lendo...