Passadas as festas de final de ano e carnaval, finalmente o ano começa! E vou aproveitar para abrir os posts do Blog Nutrir Bem de 2016 com um assunto sempre frequente nas minhas consultas: genética e hábitos de vida. Muitas pessoas ficam preocupadas por terem um histórico familiar genético que predispõe ao risco de alguma doença, e outras até acabam jogando toda a responsabilidade da sua saúde em cima da carga genética.

Mas será que não há nada que se possa fazer contra a genética?

Genética:

A Genética é o estudo da transferência de características físicas e biológicas entre as gerações. A herança genética pode nos trazer a cor dos olhos ou cabelo, mas também pré disposições à gostos, hábitos, vícios e até doenças. Muito do que somos e sentimos é atribuído às cargas genéticas que recebemos.

charge hereditariedade

Recentemente descobriu-se que a carga genética não é imutável, o que significa que ela pode ser ativada ou desativada com algumas escolhas de vida que fazemos: hábitos alimentares, prática de atividade física, consumo de bebidas alcoólicas, medicamentos, drogas, exposição à poluentes e até estado emocional têm impacto importante na expressão (ou não) de genes. Isso quer dizer que, apesar da predisposição genética, o estilo de vida em si é capaz de desencadear ou silenciar uma doença, por exemplo.

Genética não é destino

A melhor forma que os cientistas encontraram para demonstrar este mecanismo de ativação e inativação de cargas genéticas pelo estilo de vida foi estudando irmãos gêmeos idênticos. Isso por que, sendo idênticos, irmãos gêmeos têm a mesma carga genética, mas na maioria das vezes, passam a ter estilo de vida diferentes na vida adulta.

irmãos gemeos diferentes

No cenário onde um irmão gêmeo é praticante de atividade física regular, este apresenta melhores condições cardio-respiratórias, menor % de gordura corporal, melhor sensibilidade a insulina e melhores taxas de glicose, portanto, menores chances de desenvolver diabetes do que seu irmão geneticamente idêntico, porém sedentário (1). Neste mesmo estudo, os cientistas puderam até concluir que quanto mais tempo os irmãos gêmeos se mantinham separados ao longo da vida, maiores eram as diferenças genéticas adquiridas pelo estilo de vida que eles apresentavam entre si.

Um outro estudo também muito interessante mostrou que aspectos do estilo de vida como exposição ao sol, tabagismo, consumo de bebida alcoólica e estresse são também mais impactantes na saúde da pele do que o perfil genético (2). Jeanne e Susan foram um par de irmãs gêmeas idênticas que ilustraram o estudo: apresentam na vida adulta hábitos de vida completamente diferentes entre si, e a aparência da pele do rosto das duas mostra muito bem os efeitos dos hábitos de cada uma delas:

irmãs gêmeas com hábitos de vida diferentes

Nutrição, alimentação e genética

A alimentação é um pilar determinante no estilo de vida das pessoas. A nutrigenômica é uma área nova dentro na nutrição que estuda como os alimentos, nutrientes e compostos bioativos consumidos pela dieta podem influenciar na expressão dos nossos genes, ativando-os ou sinalizando-os. Ainda sabemos muito pouco sobre isso, mas o que já se tem certeza é que, associada a um estilo de vida saudável, a alimentação equilibrada, com presença constante e variada de nutrientes e compostos bioativos naturais, pode falar mais alto do que nossas cargas genéticas.

nutrientes no dna

Por isso, mais do que preocupar-se com a herança genética que cada um de nós carrega, o essencial é cuidarmos dos hábitos e estilo de vida para garantir que sejam soberanos à nossa tendência genética.

Afinal, genética não é destino!!

Assinatura Thais C. LaraNutricionista

 

Estudos referenciados:

(1) American College of Sports Medicine

(2) Study of identical twins reveals how habits like smoking and tanning can dramatically age skin

Não existem comentários ainda.

Dúvida? Opinião? Sugestão? Deixe um comentário!