Muitas das pessoas que passaram em consulta comigo neste ano me ouviram falar no livro da nutricionista Sophie Deram, O Peso das Dietas. Eu li no início de 2015, e desde então está entre meus planos escrever um post sobre ele. O livro explora e sustenta muitos motivos para não seguirmos (ou como nutricionistas, prescrevermos) nenhum tipo de dieta ou restrições alimentares severas, e sim voltarmos a nos alimentar com prazer e sem culpa.

o peso das dietas sophie deram
Em um evento de discussão do livro “O Peso das Dietas” que participei com a Sophie Deram, em março de 2015. Esta imagem foi postada no instagram @blognutrirbem

Eu já conhecia a Sophie e passei a admirá-la ainda mais depois que li o livro. Concordo bastante com seu posicionamento, e muitas das minhas condutas são baseadas nesta mesma linha: contra restrições alimentares severas e terrorismo nutricional e a favor do prazer em comer, da reeducação alimentar e respeito ao corpo e organismo. Isto é, cuidar do comportamento alimentar, pois já sabemos que como se come é tão importante quanto o quê e quanto se come. Este post é um resumo de alguns trechos do livro que separei pois fizeram muito sentido para minha vida pessoal e prática clínica, pois expõem os principais argumentos que conduzem as condutas e pensamentos que citei à cima.

Perda de peso rápida:

Nosso organismo e cérebro não entendem a perda de peso como um objetivo estético ou como sucesso, e sim como uma ameaça, e por isso, desenvolvem mecanismos de adaptação para nos proteger: aumentam o apetite, reduzem o metabolismo, e aumentam a vontade por alimentos. Isso tudo nos induz a comer e evita com que entremos em algum tipo de “perigo” por perder gordura. Nosso metabolismo é inteligente e sua programação não vai seguir uma determinada direção apenas por que nós, racionalmente, queremos perder peso. Medidas rápidas e extremas para perda de peso ou aumentar exageradamente a musculatura, por exemplo, são agressivas ao nosso cérebro e o faz acreditar que estamos correndo perigo. Pensando que provavelmente foram necessários alguns meses ou anos para que se chegasse no peso atual, é importante lembrar que também irá levar um certo tempo para que nosso corpo e cérebro se acostumem à mudanças que promovermos – de alimentação ou atividade física, por exemplo.

peso da foto_o peso das dietas

Impulsões, compulsões e culpa:

São crises que normalmente vêm junto com a perda de peso rápida. É certo que gordura e açúcar dão mais sabor aos alimentos, e resistir à eles é difícil pois são promotores de prazer. Mas como nas dietas tradicionais estes alimentos são proibidos, quando os comemos ficamos com o sentimento de culpa, ainda que o tenhamos comido em pequeníssimas quantidades.

Mas, muitas vezes, junto com a culpa, vem o pensamento de “já que estraguei minha dieta com uma mordida, vou logo comer o bolo inteiro”. Pronto, neste momento instalou-se uma crise compulsiva, que só gera mais culpa, baixa auto estima, sensações de fracasso e falta de força de vontade. No fim, em meio a tantos sentimentos negativos, acabamos não aproveitar o momento e sentir o prazer em comer aquele alimento, que foi tão desejado.

bolo de chocolate sem culpa_o peso das dietas

Em um trecho do livro, a Sophie faz uma excelente metáfora entre a perda de controle no consumo alimentar e a respiração. Palavras dela: “Quando paramos de respirar, podemos segurar o ar por um tempo, mas, de repente, vem uma inspiração salvadora que está além do nosso controle. (…) A compulsão é um impulso devido às restrições e está muito além da força de vontade. A pessoa precisa de ajuda para sair desse circulo vicioso.” Quanto mais restrições alimentares forem feitas, maiores e mais frequentes serão as descargas compulsivas, e mais culpa será envolvida no processo.

Comer com prazer e comer consciente:

Já falei bastante sobre prazer em comer neste post (Post: Prazer em comer, sim, obrigada) e neste post (Post: Vontade de doce após as refeições: como lidar?), mas a Sophie afirma a todo tempo no seu livro o quanto ela também considera isto importante.

comer com prazer_sophie deram

Algumas vezes, ter a liberdade de comer o que se gosta pode gerar euforia e exagero nas quantidades. Mas geralmente este é um efeito passageiro, pois pelo simples fato de tirar a proibição de determinado alimento, a pessoa passa consumi-lo com prazer, apreciar o alimento e o momento, e então grandes quantidades deixam de ser necessárias.

E isto é parte do que se chama comer consciente. É comer com calma, com prazer, observando cores, aromas, texturas e sabores dos alimentos consumidos, e mastigar bem. É ter atenção plena ao que se come, estar presente e atento ao momento da refeição, sem distrações externas, para poder escutar e reconhecer bem os sinais de fome e saciedade. Então aí sim, sentir o real prazer em comer.

comer consciente_o peso das dieta

 

Por estes e tantos outros motivos, eu continuo levantando a bandeira de que a melhor e mais sustentável forma de emagrecer, é retomar o prazer em comer, retomar a conexão com o corpo, os sentimentos de fome e saciedade. Só assim podemos respeitar e ajudar o organismo a entender que a perda de peso não é uma agressão. Dietas restritivas e modismos alimentares vão no exato oposto a tudo isso… Procure orientação profissional para encontrar o melhor caminho para você!

Assinatura_thais lara

Não existem comentários ainda.

Dúvida? Opinião? Sugestão? Deixe um comentário!