Bebês

A alimentação do bebê de 1 ano: o que muda?

Quando o bebê faz 1 ano, é comum a família ter muitas dúvidas: o que fica diferente na alimentação, o que pode agora ser incluído, e o que deve continuar não fazendo parte da rotina alimentar do bebê… Então listei alguns pontos importantes que costumo ressaltar e detalhar em consulta:

1. café da manhã

alimentação do bebê de 1 ano
Café da manhã de bebê de 1 ano: mamão picadinho e tapioca com ovo

A inclusão do café da manhã é uma das mais importantes mudanças  na alimentação a partir de 1 ano. O café da manhã deve começar a fazer parte da rotina, agora como refeição mais completa (e não só o leite materno ou fórmula, que é o que provavelmente o bebê tomava até agora).

Esta é uma mudança importante pois além de aumentar o aporte nutricional e variedade de alimentos que o bebê consome, ajuda a criar o hábito de se alimentar logo pela manhã.

2. consistência

Nesta fase, não é mais necessário fazer ajustes de textura e consistência para o bebê. Eles já podem começar a comer em pedacinhos, se desenvolveram boa habilidade mastigatória na introdução alimentar. Eles já podem também começar a treinar usar os talheres sozinhos.

3. composição das refeições

comida bebê 1 ano
Pratinho de refeição de um bebê de 1 ano

Com 1 ano os bebês já devem estar com as refeições completas, compostas por todos os grupos alimentares. Isso inclui frutas, vegetais crus e cozidos, cereais, raízes e tubérculos, grãos e carnes variadas. Costumo dizer que a alimentação do bebê de 1 ano é igual à da família – mas se a família não se alimenta bem e de forma saudável, é a família que deve se igualar às refeições saudáveis e completas do bebê.

4. refeições em família

refeições em família
Fazer as refeições em família é muito importante para as crianças.

Passa a ser cada vez mais importante que o bebê se alimente junto com a sua família. Com 1 ano o bebê é observador, sua motivação é copiar o que os outros fazem, ele quer participar e ser incluído. Partilhar as refeições em família permite que o bebê possa observar todos comendo e se espelhar assim. Fazer as refeições em família é essencial para as crianças.

5. já podemos incluir

sal de ervas
Sal de ervas
  • Sal, com moderação. Eu gosto de sugerir uma mistura de sal com ervas ou gergelim para a família começar a usar e não habituar o paladar do bebê com nada muito salgado.
  • Lácteos também já podem entrar como opção (para os que não forem alérgicos ou com histórico de alergia). Sugiro queijos e iogurte natural como fonte de proteínas para diversificar mais os lanchinhos, café da manhã e preparações.
  • Água de coco e sucos naturais, com moderação e volumes controlados na rotina (para ver mais sobre sucos para bebês, veja este post).
  • Mel também pode ser usado para bebês maiores de 1 ano, mas apenas para fins medicinais, e não para adoçar.

6. ainda não se recomenda incluir

Açúcar, doces, alimentos industrializados e processados (caixinhas, pacotinhos, farináceos…), refrigerantes, bolachas. Não podemos esquecer que ainda estamos dentro da janela dos 1000 dias de ouro, que são muito importantes para a programação metabólica e formação de paladar do bebê – para ver mais sobre programação metabólica, sugiro este post.

O mesmo se aplica em relação a adoçar as coisas. Mesmo que os sabores azedo e amargo não sejam sempre agradáveis ao paladar adulto, é importante deixar que as crianças conheçam o alimento em seu sabor puro – veja este post sobre dar sabores azedos para bebês. E veja também nas fotos como, apesar da careta do sabor azedinho, o Luca aprovou o iogurte natural. E faz questão de dividir com a irmã mais velha! rsrs