Bebês

Amamentação e cólicas do bebê

Depois de todos os cuidados que as mães têm com a alimentação durante a gestação, no período do pós parto muitas vezes as mulheres se vêem perdidas com a alimentação. E uma das grandes preocupações são com as cólicas do bebê.

a lista dos alimentos que dão cólica

A “lista dos alimentos que provocam cólicas no bebê” é provavelmente a campeã de pedidos no consultório. Isso porque chega às recém mães todo tipo de informação, desde experiências pessoais de todos os que estão a sua volta, até crendices populares, mitos…. Por isso, acho sempre muito importante fazer algumas considerações:

Os bebês terminam o amadurecimento de seus órgãos nos primeiros meses pós nascimento. As cólicas do bebê (infelizmente) são parte do processo natural de amadurecimento do trato gastro intestinal do bebê, e assim acomete grande parte deles até perto do 4o mês de vida. Então, pode ser que boa parte da cólica do bebê não tenha nada a ver com a alimentação da mãe.

Outro ponto é que chegam ao leite materno nutrientes que são digeridos e absorvidos pela mãe. Portanto: carboidratos, açúcares, gorduras, proteínas, vitaminas e minerais chegam ao leite. Fibras, por exemplo, são nutrientes não digeríveis e que não absorvemos. Então é pouco provável que alimentos ricos em fibras, como cereais integrais, leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, soja e grão de bico) folhas e legumes agravem as cólicas do bebê por este motivo. Por outro lado, excessos de açúcar e gordura podem intensificar um pouco a cólica que o bebê já teria naturalmente pelo processo de amadurecimento do intestino.

alimentação da mãe amamentação

Outra questão é que como em adultos, cada bebê pode ter respostas diferentes para cada alimento. O que agrava as cólicas do bebê da vizinha, não necessariamente vai agravar as cólicas do seu bebê.

Considerando tudo isso, cada mãe e cada bebê terão uma relação particular com alimentos e cólicas. Portanto, se existisse uma “lista de alimentos que dão cólica”, ela seria particular a cada mãe e bebê

nem todo choro é cólica

Nasce um bebê, nasce uma mãe culpada.

Imagine esta cena: mãe de um bebê recém nascido recebe 3 visitas diferentes em casa durante a tarde. A rotina do bebê que estava começando a ficar mais organizada, ficou atrapalhada naquele dia. As mamadas do bebê foram interrompidas várias vezes e o sono ficou picado. No mesmo dia, a mãe toma 1 prato de sopa de feijão (ou troque o “prato de sopa de feijão” por outro alimento que te disseram que pode dar cólicas no bebê).

Naquela noite, o bebê chora bastante. Irritado, fica mexendo as perninhas. Não consegue pegar no sono, está muito agitado.

bebê com cólica

Más línguas irão dizer que a sopa de feijão que a mãe tomou provocou as cólicas no bebê, que não o deixaram dormir.

Mas será que todo choro é cólica? Será que o bebê não está chorando pela mudança da rotina? Ou simplesmente, porque é um bebê pequeno, que ainda está se acostumando com a vida fora do útero? Precisamos tomar muito cuidado quando associar choro à cólica para não colocar (mais) culpa na mãe.

alimentação da mãe

Já sabemos que a alimentação da mãe tem grande impacto sobre o bebê, tanto durante a gestação (veja aqui mais sobre isso) quanto durante a amamentação (veja aqui sobre isso). Por isso, continua sendo muito importante que a mãe se alimente de forma completa, saudável e variada.

mãe e bebê

Já sabemos também que a rotina de uma recém mãe é complicada. Não tem hora certa para nada, as horas de sono ficam comprometidas, e a dedicação integral ao bebê dos primeiros dias é muito desgastante fisicamente e emocionalmente.

Fazer restrições de alimentos em prol de uma promessa de melhora de cólicas, que não necessariamente será cumprida, pode ser custoso demais. Restrições alimentares geram mais estresse e certamente irão comprometer o aporte de vitaminas e minerais da mãe e do bebê.

Então, se você estiver desconfiada que algo na sua alimentação tem influenciado na ocorrência das cólicas do seu bebezinho, procure um nutricionista materno infantil para te orientar. A avaliação cuidadosa da alimentação da mãe que amamenta é essencial para a manutenção de uma boa nutrição, para mãe e bebê!