Bebês

O que sua alimentação pode fazer pelo seu filho: amamentação

Dando continuidade à série sobre a interferência da alimentação da mãe na vida de seus filhos a médio, longo e longuíssimo prazo, hoje o post é sobre um dos temas que eu mais gosto: amamentação!

Eu considero o ato de amamentar um dos maiores e mais lindos atos de amor. O leite materno é o alimento mais perfeito, vivo e dinâmico que existe, e é especialmente desenhado para cada bebê. Mas embora muito hoje se fale sobre a amamentação, eu vejo que na hora H, as mães se enchem de dúvidas e inseguranças, e muitas vezes, sentem falta de apoio de familiares e profissionais. E este é outro ponto, para uma amamentação de sucesso, tudo o que a mãe precisa, além de vontade de amamentar, é  informação de qualidade e apoio.

amament

A amamentação traz inúmeros benefícios para mãe e bebê, mas o tema deste post é “como a alimentação da mãe pode influenciar de forma positiva na vida do bebê, via amamentação”. Então (me segurando para não fugir do tema), listei alguns pontos que considero cruciais neste assunto:

Qualidade de gorduras no leite materno

A alimentação da mãe não é capaz de mudar a quantidade de gordura do seu leite, mas é capaz de mudar a qualidade desta gordura. Por exemplo, mães que têm alto consumo de gordura na sua alimentação, não produzem leite com mais gordura. Mas as mães que têm alto consumo de gordura trans, têm leite ricos neste tipo de gordura também. A gordura trans é uma gordura sintética, usada pelas indústrias de alimento para dar mais sabor e durabilidade para os alimentos. Mas a gordura trans provoca efeitos negativos na saúde humana, como aumento de colesterol e riscos de doenças cardiovasculares.

Por outro lado, mães que têm maiores consumos de gorduras do tipo ômega 3, também produzem leite com maior teor destas gorduras. O ômega 3 é uma gordura insaturada, benéfica especialmente para a formação do sistema nervoso central dos bebês, desde a gestação, e por tanto é bastante interessante tê-la na composição do leite materno. Então, fica a dica, cuidar do tipo de gordura que se ingere durante a amamentação, é essencial!

Formação de paladar

amamentaçãoUm dos grandes benefícios da amamentação é poder influenciar de forma positiva na formação do paladar e escolhas alimentares futuras do bebê. A amamentação é, na verdade, a segunda chance que a mãe tem para isso (a primeira é a gestação – veja aqui, e a última é na introdução de alimentos – aguarde próximos posts). A variedade da alimentação da mãe influencia na variedade de composição de sabores do leite materno, de modo que um bebê amamentado é exposto a muitas nuances de sabor. Tem mães que relatam até que o cheiro do leite reflete o que comeram. Assim, bebês amamentados têm mais chances de aceitar melhor sabores variados e diferentes quando começar a conhecer outros alimentos, além do leite materno. Mais um motivo para a mãe continuar se alimentando de forma saudável e variada durante o período de amamentação.

Fome e saciedade

amament_2Este é um benefício da amamentação indireto da alimentação da mãe, mas que influencia bastante na vida futura da criança: um bebê que mama no peito pode controlar e regular a quantidade de leite que toma a cada mamada; é um bebê que conhece melhor e reconhece seus sinais de fome e saciedade. Preservar estes sinais é muito importante pois ter esta clareza é uma das grandes estratégias para a prevenção de sobrepeso e obesidade ao longo da vida.

Além destes, a amamentação traz inúmeros outros benefícios para mãe e bebê Fica cada vez mais claro como a amamentação é uma etapa importante no desenvolvimento global da criança, e especialmente, em caráter de comportamento alimentar. As mães que têm vontade de amamentar devem procurar ajuda e apoio para conseguirem vencer todas as barreiras que são impostas pelo ambiente, pois sabemos que o resultado final da amamentação é muito mais do que positivo, e absolutamente duradouro!

Assinatura Thais C. LaraNutricionista