Gestantes

Suplementação e nutrientes importantes para gestantes

Uma das grandes preocupações que a grande maioria das gestantes tem é ter certeza que está consumindo todas as vitaminas e minerais que ela e o bebê precisam. Principalmente quando elas já sabem de todos os benefícios que podem promover através da programação metabólica (veja mais sobre isso aqui). A suplementação adequada é uma das minhas preocupações também. Considero muito importante que os suplementos que a grávida toma estejam em sintonia com suas necessidades, mas principalmente com seu consumo alimentar. Por isso, vou falar sobre alguns (dos vários) suplementos e nutrientes que considero muito importantes para a gestação.

Polivitamínico

São muitas as opções do mercado e vejo que as vezes as escolhas são feitas de acordo com algumas observações médicas. Alguns escolhem o suplemento x porque tem mais ferro; outros escolhem o suplemento y porque tem ômega 3.

A verdade é que O melhor suplemento não existe. Existe o melhor para cada caso. Se a ideia do suplemento é complementar os nutrientes que ela não consome, não fica claro que o polivitamínico deve ser escolhido a cada caso?

Por isso, eu sempre gosto de avaliar com critério a alimentação da gestante em cada fase gestacional para poder adequar a suplementação. Algumas vezes uso suplementos prontos do mercado nacional, outras vezes suplementos importados e outras vezes manipulados.

Acido fólico

É o primeiro que as mulheres vão atrás quando pensam em engravidar. E é realmente importante. O ácido fólico (vitamina B9) tem um papel importantíssimo no fechamento do tubo neural do bebê que acontece logo nas primeiras semanas de gestação. E a profilaxia mundial é suplementar todas as mulheres ao menos 3 meses antes da gestação e ao longo do 1º trimestre.

O ponto aqui é que às vezes só a vitamina B9 não é suficiente. As vitaminas do complexo B têm metabolismo inter-relacionado, o que significa que a carência de uma pode interferir no funcionamento da outra. Por isso, mais uma vez, é preciso conhecer os estoques das vitaminas da mulher (por meio de exames de sangue) e a alimentação para saber se a suplementação do ácido fólico isolado é ou não o melhor caminho.

Além disso, o ácido fólico também é importante ao longo do 2o e 3o trimestre, pois pode proteger a gestante de riscos de pré-eclâmpsia e anemia. Para o bebê, é importante por auxiliar no crescimento e desenvolvimento. Mas é essencial que a dose seja ajustada desde a pré concepção, pois doses exageradas de ácido fólico pode aumentar os riscos de asma e alergias respiratórias nos bebês.

Colina

Colina é um nutriente muito importante durante a gestação pois atua no desenvolvimento do bebê e especificamente no fígado e na placenta. Mas talvez a maior atuação da colina seja na formação e amadurecimento do cérebro, e na formação da bainha de mielina dos neurônios. Por isso, a colina em quantidades suficientes durante o período da gestação reflete em bebes com boa memória, cognição e aprendizado no médio, longo e longuíssimo prazo. Os principais alimentos fonte de colina são ovos, feijão, cereais integrais e leite integral.

E sabe qual dos polivitamínicos para gestantes contém colina? Nenhum! Por isso, além da suplementação adequada, é importante estar atenta ao valor nutricional da alimentação.

Ômega 3

Ômega 3 é outro nutriente que faz a diferença para mãe e bebê ao longo da gestação.

Para a mãe, por ser uma gordura altamente antioxidante e anti-inflamatória, o ômega 3 pode ser um grande aliado na prevenção de pré eclampsia e parto prematuro, e fortalecer o sistema imune.

Para o bebê, especialmente o composto DHA do ômega 3, em conjunto com a colina, atua na formação e maturação do cérebro e formação da bainha de mielina dos neurônios. Ter ômega 3 na formação do cérebro pode resultar maior QI e capacidade cognitiva na vida futura do bebê. Um estudo recente mostrou que a boa concentração de DHA na mãe durante a gravidez estava relacionado com a habilidade de resolver problemas dos bebês já aos 12 meses! Não é incrível? E também não são todos os polivitamínicos que contém DHA.

Por isso, é interessante avaliar a alimentação da mãe, e sempre que possível incluir alimentos como salmão, sardinha, castanhas, abacate, sementes de chia. E é também importante conversar com o nutricionista que acompanha sobre a possibilidade de suplementação.

Probióticos

A microbiota (população de bactérias que habita na pele e mucosas do corpo humano) de uma gestante tem influência direta na vida e saúde do seu bebê, pois ela atua diretamente na programação metabólica. Na minha prática clínica, em algum momento, todas as gestantes vão tomar probióticos, pois traz benefícios para mãe e bebê.

Para a mãe, os probióticos podem melhorar o funcionamento de todo o trato gastro intestinal, então melhora o processo digestivo, a absorção de vitaminas e minerais, e melhor ao funcionamento intestinal. Os probióticos também fortalecem o sistema imune e ajudam na prevenção de infecções de repetição, comuns na gestação.

Para o bebê, os probióticos participam da formação do microbioma saudável e equilibrado, que começa já na vida intrauterina. Assim, o sistema imune do bebê também fica mais fortalecido, o que pode ser importante na prevenção de alergias, mesmo a longo prazo. O bebê também se beneficia com a prevenção de cólicas, pois o uso de probióticos pela mãe durante a gestação (e também amamentação) ajuda a amadurecer o trato gastro intestinal.

Mas o uso de probióticos deve ser individualizado e recomendado por um profissional de saúde capacitado.

Entendeu porque não há A melhor suplementação para gestantes? Cada caso é um caso! E lembrando que estes são só alguns dos nutrientes que precisam ser avaliados e individualizados 😉